Diáspora Piramidal: Processos de Criação Artística do Corpo em Exílio

 

De Jurupixunas a Paracatu de Baixo, por Jorge Cabrera. Fotogramas. Audiovisual. 5’50”. Fonte: Acervo do autor, 2018.

 

Diário em deslocamento, composição em forma de painel vertical, de Lia Krucken. Obra apresentada na Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Cerveira, Portugal, 2018. Fonte: Acervo da autora, 2018.

 

Resumo: Este trabalho é uma reflexão sobre o artista em exílio e sobre seu processo artístico: quando o corpo passa a criar e toma o lugar de autoridade do seu destino e deslocamento. Nos interessam as “textualidades migrantes”: histórias que ainda não foram contadas e que restam à margem. Nos interessa o processo artístico como modo de produzir conhecimento, por meio da arte e do corpo, enquanto método e abordagem de pesquisa. Este trabalho inclui performance, vídeo-performance, fotografia, cadernos de artista, desenho e instalação.
Palavras-chave: diáspora, arte contemporânea, decolonização dos corpos, processos artísticos em deslocamento

Abstract: This work is a reflection about the artist in exile and about his artistic process: when the boy starts to create and take place of authority of his own destiny and displacement. We have special focus on the “migrant textualities”: histories that were still not told and stays in the margins. We research the artistic process as a way to produce knowledge, by means of the art and the body, as a research method and approach. This work includes performance, video, photography, artist notebooks, drawing and installation.
Keywords: diaspora, contemporary arts, decolonization of bodies, artistic processes in displacement

 

DIÁSPORA PIRAMIDAL: PROCESSOS DE CRIAÇÃO ARTÍSTICA DO CORPO EM EXÍLIO

 

*Jorge Cabrera (Venezuela, 1964), Brasil. Artista visual multidisciplinar. Doutorando em Arte Contemporânea, Colégio das Artes, Universidade de Coimbra (2017). Mestre em Artes (2011). Universidade Federal de Minas Gerais. PROJETOS COLETIVOS 2018 20º Bienal Internacional de Arte de Cerveira. Portugal. 2017/ 2018 Coletivo Sesla (Ocupações Museu de Ciência; Salão Brasil). Coimbra. Potugal. 2018 Suspensões do Inefável (convocação artística) Colégio das Artes Universidade de Coimbra. Portugal. 2017 ArcoBH. Feira de Arte Contemporânea. Galpão Paraíso. Belo Horizonte, Brasil. 2009 Itinerante: Palácio das Artes. Belo Horizonte; Museu dos Contos. Ouro Preto. Congresso Nacional. Brasília, Brasil. 2007 Universidarte – Máster. Faculdade Estácio de Sá. Belo Horizonte. Brasil. 2002 Grands et jeunes d’aujourd’hui 2002. Espace Auteil. Paris. França. 1997 Banque et Caísse D’epargne de L’etat. Luxembourg. 1997 Grands et jeunes d’aujourd’hui 1997. Espace Eiffel-Branly. Paris. França. PROJETOS INDIVIDUAIS 2011 Galería Antonio Berni. Rio de Janeiro. Brasil. 2009 Galeria Primeiro Andar. Belo Horizonte. Brasil. 2008 Centro Cultural Vila Fátima. Fundação Municipal de Cultura. Prefeitura de Belo Horizonte.Brasil 2006 Aliança Francesa. (Belo Horizonte). Brasil. 2005 Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional- IPHAN. Tiradentes. Brasil. 2004 Casa de Cultura. Faculdade Estácio de Sá. Belo Horizonte. Brasil. PREMIAÇÂO 2018 Prémio Aquisição. Câmara Municipal Vila Nova de Cerveira 20º Bienal Internacional de Arte de Cerveira, Portugal.

*Lia Krucken (Salvador, Bahia, 1973) é artista interdisciplinar e investiga migrações e deslocamentos na arte contemporânea, com foco em textualidades afro-brasileiras. Desenvolve ateliers dialogados e obras coletivas. É pesquisadora junto ao Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. É Professora do Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Bahia. Integra o Esfinge Coletivo Ancestral, uma iniciativa ancorada na língua portuguesa, na ancestralidade e na diversidade. Vive em Berlim e Coimbra. Principais prêmios, residências e exibições: Insurgências – Agora Center for Contemporary Practices Berlim (2018); Joya – artist in residence, Spain (2018); XX Bienal Internacional de Arte de Cerveira, Portugal (2018); Ocupação Cá Entre Nós, na Galeria OÁ de Arte Contemporânea, Brazil (2018); Creative Europe Program, Itália (2015); DAAD, Alemanha (2014); trilogia de workshops e exposições “Espírito do lugar”, “Geografia Imaterial” e “Ler o centro”, junto ao Centro Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil (2013, 2014); Accademia di Belle Arti di Palermo (2012); Round-table, tribute to Beuys during La Biennale di Venezia, Italy (2007). portfolio: https://cargocollective.com/liakrucken